domingo, 9 de agosto de 2009

SINDROME DE WILLIAMS


CRIANÇAS ESPECIAIS

Este termo é muito genérico, abrange as mais diferentes síndromes infantis . Todas as crianças são muito especiais, mas algumas precisam de um apoio, de um olhar, de uma atenção especial, de um acompanhamento e acima de tudo muito carinho.É sobre estas crianças que vamos tentar falar um pouco e chamar sua atenção. A criança portadora de necessidades especiais, além do direito, tem a necessidade de cursar uma escola normal, de ser tratada com muito carinho e respeito por todos nós.
Fonte :Portal Fio Cruz

SÍNDROME DE WILLIAMS

O que é?
A Síndrome de Williams também conhecida como síndrome Williams-Beuren é uma desordem genética que, talvez, por ser rara, freqüentemente não é diagnosticada. Sua transmissão não é genética. O nome desta síndrome vem do médico, Dr. J.C.P. Williams que a descreveu em 1961 na Nova Zelândia e pelo Dr. A. J. Beuren da Alemanha em 1962 .Acometendo ambos os sexos, na maioria dos casos infantis (primeiro ano de vida), as crianças têm dificuldade de se alimentar, ficam irritadas facilmente e choram muito.A síndrome de Williams é uma doença caracterizada por "face de gnomo ou fadinha”, nariz pequeno e empinado, cabelos encaracolados, lábios cheios, dentes pequenos e sorriso freqüente. Estas crianças normalmente têm problemas de coordenação e equilíbrio, apresentando um atraso psicomotor. Seu comportamento é sociável e comunicativo embora utilizem expressões faciais, contatos visuais e gestos em sua comunicação.Embora comecem a falar tarde, por volta dos 18 meses, demonstram facilidade para aprender rimas e canções, demonstrando muita sensibilidade musical e concomitantemente boa memória auditiva. Seu desenvolvimento motor é mais lento. Demoram a andar, e tem grande dificuldade em executar tarefas que necessitem de coordenação motora tais como: cortar papel, desenhar, andar de bicicleta, amarrar o sapato etc..
Tratamento e Prevenção das Complicações
É muito importante identificar portadores desta síndrome logo na primeira infância, pois, tem influência em diversas partes do desenvolvimento cognitivo, comportamental e motor. As medidas preventivas devem-se iniciar logo após o diagnóstico com um estudo minucioso para descarte de anomalias do coração e rins. É necessário monitorar freqüentemente a hipertensão arterial, incluindo a avaliação da tensão arterial nos quatro membros.A otite crônica exige avaliações auditivas freqüentes e quando necessário o envio para uma consulta de otorrinolaringologia. O tratamento de problemas dentários necessita da profilaxia da endocardite. Face às infecções urinárias freqüentes torna-se necessário avaliar a função renal periodicamente e realizar um estudo minucioso na infância e na adolescência. Na adolescência, para além de se manter a vigilância dos sistemas já descritos, deve-se pesquisar a presença de escoliose e contratura das articulações. Os problemas alimentares observados nos mais novos são ultrapassados, sendo a obesidade encontrada em 29% dos adultos. O comportamento e aproveitamento escolar, quando problemáticos carecem de medidas de apoio. A ansiedade pode estar associada à úlcera péptica e a litíase biliar é um diagnóstico possível em doentes com dores abdominais.

Personalidade e comportamento

Nas crianças portadoras desta síndrome é grande a sociabilidade, entusiasmo, grande sensibilidade, tem uma memória fantástica para pessoas, nomes e local; ansiedade medo de alturas, preocupação excessiva com determinados assuntos ou objetos, distúrbios do sono, controle do esfíncter É normal crianças com esta síndrome serem amigas de adultos e procurarem a companhia deles ao mesmo tempo tem dificuldade em fazer amizades outras crianças da sua idade. Muitas crianças com esta síndrome demonstram medo ao escutarem ruídos de bater palmas, liquidificador, avião, etc., por serem hipersensíveis ao som.

Referências Bibliográficas:

MACHADO, M. T., et al. Achados Neuro-Urológicos da Síndrome de Williams: Relato de Caso. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 1998, 56 (3-b): 683-687.EWART A.K.; et al: A human vascular disorder, supravalvular aortic stenosis, maps to chromosome 7. Porc Natl Acad Sci USA 90:3226-30, 1993.FRANGISKAKIS J. M.; et al; Lim-kinase hemizigosity implicated in impaired visuospatial constructive cognition. Cell 86:59-69, 1996.DUTLY, F , Schnitzel, A: Unequal interchromosomal rearrangements may result in elastin gene deletions causing Williams Beuren syndrome. Hum Mol Genet 12:1893-98, 1993.ASHKAN LASHKARI, B.S., et al. Williams- Beuren Syndrome: An update and review for the primary Physician. Clinical Pediatrics, 1999; 38: 189-208.Texto de Ivana Silva

sábado, 30 de maio de 2009

CURSO DE GRADUAÇÃO


Mordida na creche!!!!

Mordidas

Porque meu filho morde os amiguinhos na escola?Esta pergunta sempre aparece, quando a mãe é chamada na escola para receber a triste notícia: Seu filho tem mordido os amigos da sala. Porque isto acontece? Geralmente são alguns fatores externos que levam a criança a morder. O primeiro que deve ser abordado é rever como os pais brincam com a criança. Existem pais que demonstram carinho com pequenas mordidas. Neste caso a criança nada mais faz do que reproduzir a forma de carinho que recebe. Ela morde para demonstrar que gosta da pessoa, pois seus pais demonstram o carinho dessa forma. O melhor a fazer é parar de morder a criança e trocar as “pequenas mordidas” por beijos e com certeza seu filho irá também parar de morder os amigos na escola. Outro ponto a observar é em qual situação a criança morde. Se for para expressar o que está sentindo, seja no momento de raiva ou de euforia, se for numa disputa por brinquedos, se ela morde também os adultos, etc. Isso acontece porque ainda não consegue expressar com palavras seus sentimentos e usa este ato para fazê-lo.A forma mais adequada é conversar com a criança cada vez que ela tentar ou conseguir morder o amigo, explicando que pode falar o que deseja ou simplesmente usar outra forma de expressão. Ensinar que não se deve morder, mordendo é muito errado. Se seu filho morder alguém, não peça para a outra criança fazer o mesmo com ele. Ele não entenderá esta forma de punição, aliás, nem eu entendo! Bater na boca, gritar ou colocá-lo de castigo por horas também não o farão entender o delito cometido. É importante que a criança perceba que com este ato ela machucou o amigo. Conversar com ela, orientar para que peça desculpas é importante. Existe outro ponto importante, conheci uma criança que se mordia. Certa vez a professora estava observando seus alunos no parque e viu que uma aluna ficava isolada do grupo, ao se aproximar percebeu que a menina estava se mordendo. Porque isto acontece? Às vezes a criança está somente experimentando uma sensação. Isso é normal. Outro motivo, é para chamar a atenção ou da professora ou dos pais. Pois ao verem a mordida no braço ela será acolhida, tocada, amparada e terá seu objetivo atendido. Neste caso a conversa também é o melhor caminho. A mordida, como outras formas de expressão entre 2 e 4 anos são normais e transitórias. Normalmente a criança vai substituindo este ato pela fala e percebe que com isso ela consegue muito mais. Mas não deixem que essa fase passe desapercebida, fiquem atentos pois com zelo e carinho tudo se resolve mais facilmente.
Artigo da Psicopedagoga Débora Corigliano

REFORMA ORTOGRÁFICO


REFORMA ORTOGRÁFICA
Reforma Ortográfica: Acentuação Na Língua Portuguesa, todas as palavras possuem uma sílaba tônica - a que recebe a maior inflexão de voz. Nem todas, porém, são marcadas pelo acento gráfico. O nosso estudo é exatamente este: em que palavras se deve usar o acento agudo ou o acento circunflexo? Ainda existe o trema? Vamos às respostas:As sílabas são subdivididas em tônicas, subtônicas e átonas.--------------------------------------------------------------------------------Sílaba tônica:A sílaba tônica é a mais forte da palavra. Só existe uma sílaba tônica em cada palavra. O guaraná - A sílaba tônica é a última (ná). A palavra é, portanto, oxítona.O táxi - A sílaba tônica é a penúltima (tá). A palavra é, portanto, paroxítona. A própolis - A sílaba tônica é a antepenúltima (pró). A palavra é, portanto, proparoxítona. A sílaba tônica sempre se encontra em uma destas três sílabas: na última (a palavra é oxítona), na penúltima (paroxítona) ou na antepenúltima (proparoxítona). --------------------------------------------------------------------------------Sílaba subtônica:A sílaba subtônica só existe em palavras derivadas, que são as que provêm de outra palavra. Coincide com a tônica da palavra primitiva, ou seja, a sílaba tônica da palavra primitiva se transforma em subtônica da derivada. Guaranazinho - A sílaba tônica é zi, e a subtônica, na, pois era a tônica da primitiva (guaraná).Taxímetro - A sílaba tônica é xí, e a subtônica, ta, pois era a tônica da primitiva (táxi). Propolina - A sílaba tônica é li, e a subtônica, pro, pois era a tônica da primitiva (própolis).--------------------------------------------------------------------------------Sílabas átonas Todas as outras sílabas são denominadas de átonas. --------------------------------------------------------------------------------MonossílabosQuando a palavra possuir uma sílaba só, será denominada de monossílaba. Os monossílabos podem ser átonos e tônicos. Os tônicos são aqueles que têm força para serem usados sozinhos em uma frase; os átonos, não. Serão monossílabos tônicos os substantivos, os adjetivos, os advérbios, os numerais, os verbos e alguns pronomes, pois são as classes gramaticais que podem ser usadas sozinhas em uma frase:pá, eis, só, tu, mim, dê.--------------------------------------------------------------------------------Acentuação dos Monossílabos TônicosOs monossílabos tônicos serão acentuados, quando terminarem em a, e, o, éi, éu ou ói, seguidos ou não de s.pá, pás, má, más, vá, lá, já,pé, pés, mês, rês, Zé, ‘né?’,pó, pós, dó, cós, pô!, céu, véu, méis, sóis.--------------------------------------------------------------------------------Pôr - Acentua-se a forma verbal pôr para distingui-la da preposição por.Vou pôr meus sapatos e sair por aí.--------------------------------------------------------------------------------OxítonasSão classificadas de oxítonas as palavras que têm a maior inflexão de voz na última sílaba.--------------------------------------------------------------------------------1) a / e / o / ém / éns / éu / éi / óiAcentuam-se as oxítonas terminadas em a, e, o, éi, éu ou ói, seguidas ou não de s, ou em ém ou éns.corumbá, maracujás, maná, Maringá,rapé, massapê, filé, sapé, dendê, filó, rondó, mocotó, jiló, cocô, chapéu, troféu, herói, pastéis, amém, armazém, também, Belém, parabéns, armazéns, nenéns. --------------------------------------------------------------------------------2) a / e / o + lo, la, los, lasAcentuam-se as formas verbais oxítonas terminadas em a, e, o acompanhadas dos pronomes oblíquos átonos lo, la, los, las. Iremos contratá-lo.Não quero comprometê-lo. O dinheiro, vou repô-lo. --------------------------------------------------------------------------------3) hiato i, uAcentuam-se as oxítonas terminadas em i ou u quando essas letras forem precedidas de outra vogal, formando, assim, um hiato, sejam seguidas ou não de s, mas não seguidas de outra consoante nem de semivogal.Itaú, baús, açaí, caí, cair: sem acento porque há consoante na mesma sílaba que o i.caiu, distraiu: sem acento porque há a semivogal u na mesma sílaba que o i.--------------------------------------------------------------------------------Da mesma forma se acentuam as formas verbais oxítonas terminadas em i, acompanhadas dos pronomes oblíquos átonos lo, la, los, las quando a letra i formar hiato com a vogal anterior. A casa, iremos construí-la em breve. --------------------------------------------------------------------------------Acentuam-se também as letras i e u precedidas de ditongo decrescente (ao, au, ei, ui...) quando estiverem na última sílaba e esta for a tônicaPiauí, tuiuiú, teiú. --------------------------------------------------------------------------------4) dupla ortografia e pronúnciaEm algumas oxítonas terminadas em e, admite-se tanto o acento agudo quanto o acento circunflexo:bebé ou bebê,bidé ou bidê, canapé ou canapê,caraté ou caratê, croché ou crochê, guiché ou guichê, matiné ou matinê, nené ou nenê, puré ou purê, rapé ou rapê.Isso ocorre também com o substantivo cocô e cocó. Admitem-se também formas como judô e judo, metrô e metro.--------------------------------------------------------------------------------ParoxítonasSão classificadas de paroxítonas as palavras que têm a maior inflexão de voz na penúltima sílaba. 1) ei / ão / ã / i / u / um / uns / l / n / r / x / ps / ea / eo / ia / ie / io / ua / ue / uoAcentuam-se as paroxítonas terminadas em ei, ão, ã, i, u, um, uns ou em L, n, r, x, ps ou ainda em ditongo crescente (ea, eo, ia, ie, io, ua, ue, uo). pônei, vôlei, jóquei,órgão, órfãos, sótão, ímã, órfãs, táxi, júris, biquíni ônus, bônus, álbum, factótum, médiuns, ágil, flexível, volátil, hífen, pólen, gérmen, fêmur, âmbar, revólver, tórax, xérox (também pode ser xerox), fênix, fórceps, bíceps, tríceps, Mário, secretária. --------------------------------------------------------------------------------Obs.: Algumas palavras que têm a vogal tônica e ou o em fim de sílaba, seguida de m ou de n, apresetam oscilação de timbre:sêmen e sémen, xênon e xénon (gás que emite uma luminescência azul, usado em faróis de automóveis e motocicletas), fêmur e fémur, ônix e ónix, Fênix e Fénix, vômer e vómer (pequeno osso da parte inferior do nariz), pônei e pónei, pênis e pénis, tênis e ténis, bônus e bónus, ônus e ónus, tônus e tónus, Vênus e Vénus. --------------------------------------------------------------------------------2) hiato i, uAcentuam-se as paroxítonas terminadas em i ou u, seguidas ou não de s, mas não de outra consoante na mesma sílaba nem de NH na sílaba subsequente, quando essas letras forem precedidas de outra vogal, formando, assim, um hiato. saúde, caída, saída,saírem, balaústre. sairmos: sem acento porque há consoante na mesma sílaba que o i.rainha: sem acento porque há nh na sílaba subsequente ao i.saidinha: sem acento porque o hiato a-i não se encontra na sílaba tônica da palavra.--------------------------------------------------------------------------------Não se acentuam, porém, as letras i e u precedidas de ditongo decrescente (ao, au, ei, ui...) quando estiverem na penúltima sílaba e esta for a tônica, exceto os casos em que a palavra se inclua em regra de acentuação tônica:feiura, bocaiuva, baiuca, taoismo, taoista, Maiume (nome próprio), feiinho (de feio). Maiúmi (também nome próprio) – é acentuado por ser paroxítona terminada em i.--------------------------------------------------------------------------------3) falámos / falamosPodem-se acentuar, facultativamente, as formas verbais paroxítonas da primeira pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo (Ontem, nós...) para distingui-la das correspondentes formas do presente do indicativo (Hoje, nós...).Ontem nós falámos (ou falamos) com ele. Nós falamos com ele todos os dias.--------------------------------------------------------------------------------4) dêmos / demos Pode-se acentuar, facultativamente, a forma verbal paroxítona dêmos, primeira pessoa do plural do presente do subjuntivo (espero que nós dêmos/demos), para distingui-la da correspondente forma do pretérito perfeito do indicativo (Ontem nós demos). Espero que nos dêmos (ou demos) bem a partir de agora.Nós já demos o presente dele. --------------------------------------------------------------------------------5) fôrma / forma Pode-se acentuar, facultativamente, o substantivo fôrma, com o o fechado, para distingui-lo do substantivo ou da forma verbal forma, com o o aberto: A fôrma (ou forma) do bolo. Essa escola forma bons advogados.Ele está fora de forma.--------------------------------------------------------------------------------6) pôde / pode Acentua-se a forma verbal pôde, terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo (Ontem, ele pôde), para distingui- la da terceira pessoa do singular do presente do indicativo (Hoje, ele pode).Ontem ele não pôde sair de casa, mas hoje pode. --------------------------------------------------------------------------------7) semi / super Não se acentuam os prefixos nem os falsos prefixos paroxítonos terminados em i ou r. semi, anti, arqui, super, hiper, inter. --------------------------------------------------------------------------------8) para / pelo / pelas / pela / pera / polo / coaNão se acentuam as paroxítonas homógrafas (mesma escrita) de palavras proclíticas (palavras átonas que, apoiando-se na palavra seguinte, com ela forma uma unidade acentual. No português, são proclíticos os artigos, as contrações, as preposições e as conjunções átonas). Por isso não se acentuam as seguintes palavras:--------------------------------------------------------------------------------a) para (verbo parar), homógrafa da preposição para.O Brasil para de exportar minério para a Europa.--------------------------------------------------------------------------------b) eu pelo, tu pelas, ele pela (verbo pelar), homógrafas da contração da preposição antiga per com os artigos o, a, os, as: pelo, pela, pelos, pelas.Eu pelo o pelo do porco pelo método mais fácil.--------------------------------------------------------------------------------c) o pelo, os pelos (substantivos), homógrafas da contração da preposição antiga per com os artigos o, a, os, as: pelo, pela, pelos, pelas.Eu pelo o pelo do porco pelo método mais fácil.--------------------------------------------------------------------------------d) o polo, os polos (substantivos), homógrafas de polo, polos, antigas formas de pelo, pelos.Assisti a um jogo de polo incrível.Gosto de usar camisa polo.--------------------------------------------------------------------------------e) a pera, as peras (substantivos), homógrafas da contração da preposição antiga per com lo, la, los, las: pera, peras.A pera que comi não estava boa.Essas peras custam quanto?--------------------------------------------------------------------------------f) tu coas, ele coa (verbo coar), homógrafas da contração da preposição com com os artigos o, a, os, as.O soldado coa o café coa própria meia.--------------------------------------------------------------------------------9) a / e / o / em / ens Não se acentuam as paroxítonas terminadas em a, e, o, em, ens.casa, mesa, parede, poste, pente, sapato, veneno, coo, doo, enjoo, item, itens, jovem, jovens, leem, veem, deem, creem. --------------------------------------------------------------------------------10) oi / ei Não se acentuam os ditongos tônicos abertos ei e oi quando estiverem na penúltima sílaba, exceto os casos em que a palavra se inclua em regra de acentuação tônica:ideia, plateia, heroico, paranoico, paranoia, assembleia.contêiner, destróier, gêiser – são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em r.amêijoa (molusco muito apreciado como alimento) – é acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo crescente--------------------------------------------------------------------------------Proparoxítonas São proparoxítonas as palavras que têm a maior inflexão de voz na antepenúltima sílaba. Todas as proparoxítonas são acentuadas, inclusive as proparoxítonas aparentes*, salvo a expressão per capita e o substantivo performance, por não pertencerem à Língua Portuguesa. síndrome, ínterim, lêvedo, lâmpada, sândalo, cânhamo. --------------------------------------------------------------------------------* Proparoxítonas aparentes: As palavras terminadas em ea, eo, ia, ie, io, ua, ue, uo que tenham a sílaba anterior a essas terminações tônica tanto podem ser consideradas paroxítonas terminadas em ditongo crescente quanto proparoxítonas. São também chamadas de proparoxítonas aparentes:cór-nea ou cór-ne-a, pá-reo ou pá-re-o, tí-bia ou tí-bi-a, cá-rie ou cá-ri-e, sá-bio ou sá-bi-o, tá-bua ou tá-bu-a, tê-nue ou tê-nu-e, vá-cuo ou vá-cu-o----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* gênero / género As vogais e ou o que estiverem em final de sílaba de palavras proparoxítonas - reais ou aparentes - e que forem seguidas de consoantes nasais (M ou N) podem receber tanto o acento agudo quanto o acento circunflexo:idôneo ou idóneo, gênero ou género, Antônio ou António, anatômico ou anatómico,crônica ou crónica, gênio ou génio, gêmeos ou gémeos,fenômeno ou fenómeno.--------------------------------------------------------------------------------eu, ei, oi Os ditongos eu, ei, oi somente receberão acento quando forem abertos, seguidos ou não de s, em palavras oxítonas ou em monossílabos tônicos. Se forem fechados, não se acentuam.meu, chapéu, deus, troféus, anéis, rei, réis, destrói--------------------------------------------------------------------------------Não se acentuam os ditongos ei e oi quando fizerem parte de palavras paroxítonas, exceto os casos em que a palavra se inclua em regra de acentuação tônica: estoico, foice, ideia, paranoia, heroico. plateia, heroico, paranoico, paranoia, assembleia. * contêiner, destróier, gêiser – são acentuadas por serem paroxítonas terminadas em r.* amêijoa (molusco muito apreciado como alimento) – é acentuada por ser paroxítona terminada em ditongo crescente--------------------------------------------------------------------------------HiatoAs letras i e u serão acentuadas, independentemente da posição na palavra, quando surgirem:- Formando hiato tônico com a vogal anterior. - Sem consoante na mesma sílaba, exceto o s. - Sem semivogal na mesma sílaba.- Sem NH na sílaba posterior. saída, ataúde, miúdo, sairmos, balaústre, juiz, rainha, ruim, juízes, * caiu: há a formação do hiato entre o i e o a (ca-iu), mas há a semivogal u na mesma sílaba do i.* instruiu: há a formação do hiato entre o i e o u (ins-tru-iu), mas há a semivogal u na mesma sílaba do i.* pauis, plural de paul (terra encharcada, pântano), separa-se silabicamente pa-uis. Há o hiato entre o u e o a, mas há a semivogal i na mesma sílaba do u.Exceção: xiita. Como duas vogais idênticas obrigatoriamente formam um hiato, não há necessidade de se acentuar a palavra xiita para indicar essa formação.--------------------------------------------------------------------------------Acentuam-se as letras i e u precedidas de ditongo decrescente (ao, au, ei, ui...) quando fizerem parte de palavras oxítonas:Piauí, tuiuiú, teiú Não se acentuam, porém, as letras i e u precedidas de ditongo decrescente (ao, au, ei, ui...) quando fizerem parte de palavras paroxítonas, exceto os casos em que a palavra se inclua em regra de acentuação tônica: feiura, bocaiuva, baiuca,taoismo, taoista, Maiume (nome próprio), feiinho (de feio).* Maiúmi (também nome próprio) – é acentuado por ser paroxítona terminada em i.--------------------------------------------------------------------------------Observe atentamente estas duas palavras:repeti-loatribuí-loPor que repeti-lo sem acento e atribuí-lo com acento? Veja a explicação:Em atribuí-lo há a formação do hiato i tônico com a vogal anterior, sem consoante na mesma sílaba e sem nh na sílaba posterior. Já em repeti-lo não há a formação do hiato. O que ocorre é uma palavra oxítona terminada em i, e as oxítonas terminadas em i não são acentuadas.--------------------------------------------------------------------------------TremaTrema: Não se usa mais o trema nos grupos QUE, QUI, GUE, GUI. A pronúncia átona do u, porém, permanece:Linguiça, cinquenta, tranquilo, arguir Obs.: Usa-se, porém, o trema nas palavras de origem estrangeira e nas derivadas delas. Por exemplo:Os tipos de cerveja München, Trüb e Kölsch.Quem gosta da cerveja München, pode ser chamado de münchenista.Sobrenomes, como o da modelo brasileira Gisele Bündchen. Os fãs dela podem, então, ser considerados bündchenianos.--------------------------------------------------------------------------------guar, quar, quirVerbos terminados em guar, quar, quir, como averiguar, apaziguar, obliquar, aguar, enxaguar, desaguar, delinquir... :As pessoas eu, tu, ele e eles do presente do indicativo e do presente do subjuntivo têm dupla pronúncia.a- Paroxítona terminada em ditongo crescente. A pronúncia é a mesma de água: eu enxáguo,tu enxáguas,ele enxágua,eles enxáguamQue eu apazígue,que tu apazígues,que ele apazígue,que eles apazíguem.b- Hiato entre o u e a vogal seguinte, sem acento algum. A pronúncia é a mesma de atenuo. eu enxaguo (gu-o),tu enxaguas (gu-as),ele enxagua (gu-a),eles enxaguam (gu-am) Que eu apazigue (gu-e),que tu apazigues (gu-es),que ele apazigue (gu-e),que eles apaziguem (gu-em).--------------------------------------------------------------------------------Arguir e redarquirEsses verbos sofreram mudanças ortográficas profundas em virtude do Acordo:1) Nas formas rizotônicas:O u perde o acento agudo quando seguido de e ou de i:eles ar-gu-emtu e ele do presente do indicativo terminam em ditongo decrescente, ou seja, as letras ui pertencem à mesma sílaba, sendo o u a vogal e o i a semivogal: tu ar-guis (pronuncia-se ar-gUis – a letra maiúscula indica a tonicidade da palavra, como em fui)ele ar-gui (pronuncia-se ar-gUi – a letra maiúscula indica a tonicidade da palavra, como em fui)As demais formas rizotônicas mantêm o hiato entre o u e a vogal subsequente.eu ar-gu-oeles ar-gu-emque eu ar-gu-aque tu ar-gu-asque ele ar-gu-aque eles ar-gu-am2) Nas formas arrizotônicas:- O u perde a tonicidade, formando um hiato entre o u e a vogal temática inós ar-gu-í-mosvós ar-gu-ísque nós ar-gu-a-mosque vós ar-gu-aiseu ar-gu-ítu ar-gu-ís-teele ar-gu-iunós ar-gu-í-mosvós ar-gu-ís-teseles ar-gu-í-rameu ar-gu-í-atu ar-gu-í-asele ar-gu-í-anós ar-gu-í-a-mosvós ar-gu-í-eiseles ar-gu-í-ameu ar-gu-i-reitu ar-gu-i-rásele ar-gu-i-ránós ar-gu-i-re-mosvós ar-gu-i-reiseles ar-gu-i-rãose eu ar-gu-ís-sese tu ar-gu-ís-sesse ele ar-gu-ís-sese nós ar-gu-ís-se-mosse vós ar-gu-ís-seisse eles ar-gu-ís-semquando eu ar-gu-irquando tu ar-gu-í-resquando ele ar-gu-irquando nós ar-gu-ir-mosquando vós ar-gu-ir-desquando eles ar-gu-í-remComo arguir, conjuga-se o verbo redarguir.Significado dos verbos: Arguir = acusar; censurar; argumentar; examinar, questionando ou interrogando. Redarguir = Replicar, responder argumentando; acusar, recriminar. --------------------------------------------------------------------------------Ter e vir--------------------------------------------------------------------------------Verbos ter e vir e formas verbaisOs verbos Ter e Vir, no Presente do Indicativo, têm a seguinte conjugação: Ter Vir Eu tenho Eu venho Tu tens Tu vens Ele tem Ele vem Nós temos Nós vimos Vós tendes Vós vindes Eles têm Eles vêm Observe que a terceira pessoa do plural - eles - possui um e só e acento circunflexo. --------------------------------------------------------------------------------Os derivados dos verbos Ter e Vir, no Presente do Indicativo, têm a seguinte conjugação: Peguemos como exemplo os verbos manter e intervir Manter Intervir Eu mantenho Eu intervenho Tu manténs Tu intervéns Ele mantém Ele intervém Nós mantemos Nós intervimos Vós mantendes Vós intervindes Eles mantêm Eles intervêm Observe que tu e ele possuem um e só, com acento agudo e eles, um e só, com acento circunflexo. Obs: Descobrem-se os derivados dos verbos, conjugando uma determinado pessoa - por exemplo eu. Caso seja igual ao verbo original, será derivado dele. Por exemplo, a primeira pessoa do singular do presente do Indicativo do verbo ter é tenho. Todos os verbos que tenham essa terminação - tenho - serão derivados do verbo ter. mantenho, detenho, entretenho, retenho.--------------------------------------------------------------------------------eem---------------------------------------------------------------------------------eem: Não se esqueça dos verbos que possuem a terminação -eem: crer, dar, ler, ver e todos os seus derivados: essa terminação não é mais acentuada.eles creem,eles leem,eles veem.Que eles deem.

sábado, 28 de março de 2009

"Um excelente educador não é um ser humano perfeito, mas alguém que tem serenidade para se esvaziar e sensibilidade para aprender"

(Algusto Cury)

REFLEXÃO

"Professor bom não é aquele que dá uma aula perfeita, explicando a matéria. Professor bom é aquele que transforma a matéria em brinquedo e seduz o aluno a brincar. Depois de seduzido o aluno, não há quem o segure”Rubem Alves



































MODELOS PARA A PÁSCOA!!


















FONTE: JACIRINHA

Cada criança é um indivíduo

As escolas da cidade de Reggio Emilia, no norte da Itália, são sinônimo de excelência em Educação Infantil. Tanto que em 1994 a prefeitura decidiu fundar a instituição Reggio Children para administrar as atividades de intercâmbio com todo o mundo. Não se trata de exportação de um método. "Deixamos claro que não somos um modelo e que cada comunidade deve achar seu caminho", diz a coordenadora pedagógica do projeto, Bruna Elena Giacopini. "Ajudamos os educadores a olhar a própria realidade para melhor identificar a experiência que acumularam." Entre os princípios adotados em Reggio Emilia estão o trabalho com projetos, pesquisas contínuas, a valorização do processo e não apenas do resultado, a formação permanente dos professores e o contato com as famílias, que recebem relatórios diários sobre os filhos. Bruna esteve no Brasil em agosto para uma série de encontros e trocas de experiências, acompanhada do atelierista Lanfranco Bassi, responsável pelas atividades que estimulam a criatividade. Na entrevista a seguir, ela descreve a experiência de Reggio Emilia e suas duas referências teóricas principais, a Pedagogia da Escuta e a Teoria das Cem Linguagens, ambas desenvolvidas pelo pedagogo Loris Malaguzzi (1920-1994).
FONTE: NOVA ESCOLA

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

A lição da borboleta

Um dia, uma pequena abertura apareceu em um casulo. Um homem sentou e observou a borboleta por várias horas, conforme ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco.
Então pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso. Parecia que ela tinha ido o mais longe que podia, e não conseguia ir mais.
O homem decidiu ajudar a borboleta: ele pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta então saiu facilmente. Mas seu corpo estava murcho e era pequeno e tinha as asas amassadas.
O homem continuou a observar a borboleta porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e esticassem para serem capazes de suportar o corpo que iria se afirmar com o tempo. Nada aconteceu!
Na verdade, a borboleta passou o resto da sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar não compreendia era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura era o modo com que Deus fazia com que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas, de modo que ela estaria pronta para voar uma vez que estivesse livre do casulo.
Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vidas. Se Deus nos permitisse passar através de nossas vidas sem quaisquer obstáculos, ele nos deixaria aleijados. Nós não iríamos ser tão fortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar...

domingo, 22 de fevereiro de 2009

EMBALAGEM COELHO











PLANEJAMENTO ANUAL 2009

Planejamento abrange um roteiro progressivo de atividades a serem desenvolvidas. Apresenta - se flexível, objetivo, simples e coerente com a realidade a ser trabalhada. Nossa ação pedagógica será desenvolvida por projetos que favorecem a interdisciplinaridade. Desta forma, são elencadas as habilidades necessárias a serem ampliadas pelas crianças e a escolha das atividades pertinentes ao grupo da sala de aula. Sendo assim, planejar objetiva despertar o interesse da criança e aguçar sua curiosidade e participação. No entanto, no dia - a - dia da escola, surge também temas escolhidos de acordo com os interesses das crianças, estes poderão surgir de passeios, de conversas do cotidiano, entre outras situações, os quais transformados em projetos a serem trabalhados em sala de aula, estaremos proporcionando uma aprendizagem atraente e eficaz a todos os envolvidos no processo de ensino/aprendizagem.

Justificativa

Para que os trabalhos realizados nesta escola não se tornem repetitivos e fragmentados, há um anseio unânime por mudanças significativas na forma de trabalhar, ou seja, mais dinâmico e interdisciplinar. Atualmente a criança é considerada um ser em constante desenvolvimento, que pensa, age, expõe suas idéias e dessa forma é autêntica, com opiniões próprias, trabalhando nas áreas cognitiva, sócio - afetiva e psicomotora. Através do progresso dos projetos, iremos possibilitar à criança confiar em si mesma, sentir - se capaz, respeitar e ser respeitada, fazendo da relação ensino - aprendizagem um processo rico e construtivo, proporcionando a criança desenvolver suas habilidades de forma prazerosa e autônoma. Os projetos envolverão atividades com o objetivo de provocar a curiosidade infantil, estimular a motivação e atender as necessidades das crianças, tais como brincadeiras, passeios, jogos, registros, conversas, reflexões sobre temas diversos e experiências propostas a partir de sua realidade. Nessa perspectiva estimularemos a integração da criança ao seu meio físico, social e psicológico, criando condições para que a criança construa e amplie o seu conhecimento, desenvolvendo todas as suas potencialidades, num processo natural e gradativo, favorecendo o bem estar da criança e seu crescimento.

Objetivo Geral

Proporcionar condições adequadas para promover o bem estar da criança, seu desenvolvimento físico, motor, emocional, intelectual, moral e social, amplo de suas experiências e habilidades, estimulando o interesse pelo processo do conhecimento do ser humano, da natureza e da sociedade.

Sugestão de Projetos e Objetivos

- Adaptação
Proporcionar condições adequadas para a criança sentir-se, perceber-se e conhecer-se, estabelecendo relações com o meio em que vive, desenvolvendo assim sua sensibilidade, socialização, afetividade e solidariedade, através da interação com o grupo e com o meio.
- Identidade
Favorecer ao aluno o auto - conhecimento, a aceitação de si mesmo, despertando o sentimento de auto-estima, percebendo as diferenças, levando as crianças a se identificarem pelo nome e a identificar os outros.- Corpo, alimentação e higiene.Proporcionar o reconhecimento de seu próprio corpo, conhecendo bons hábitos de higiene e alimentação enfatizando sua importância, promovendo o bem estar e a saúde.
- Sentidos
Desenvolver os sentidos, estimulando a coordenação motora, a linguagem oral e a percepção dos órgãos dos sentidos.
- Família
Destacar a importância da família, identificando-se como membro dela, observando os diferentes costumes familiares.
- Números e cores
Contribuir para o desenvolvimento da habilidade lógico-matemática, destacando as cores.
- Meios de transporte
Reconhecer os sinais de trânsito e os meios de transportes para a prevenção de acidentes.
- Estações do ano
Perceber as mudanças e diferenças de cada estação do ano.
- Literatura infantil e ecologia
Conscientizar as crianças da importância do cuidado e preservação com a ecologia, fazendo com que as mesmas sintam-se bem no ambiente escolar, além de despertar o interesse e o gosto pela literatura infantil.
- Datas comemorativas
Destacar a importância das datas comemorativas no dia-a-dia do cotidiano escolar.

Metodologia

As atividades serão desenvolvidas de acordo com a faixa etária de cada grupo, através de sucatas, cantigas de roda, brincadeiras, contação de histórias, etc.Com o objetivo de desenvolver as habilidades, afetividade, sociabilidade, integração, habilidades motoras e cognitivas, onde a professora terá a autonomia de desenvolvê-las dentro de suas necessidades, usando de sua criatividade para que ensino/aprendizagem aconteça efetivamente.

Cronograma

Será desenvolvido no decorrer do ano.

Avaliação

Conforme estabelecido no artigo 31, da seção II da lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/96), a avaliação nas instituições de Educação infantil serão realizadas na forma de observação e registro do desenvolvimento da criança.A avaliação é um processo e não um fim, utilizada como um instrumento que visa libertar e emancipar os sujeitos ao invés de controlar e classificar, procurando resgatar aqueles que necessitarem e estimular os alunos para a construção se novos conhecimentos para que sejam críticos, capazes de atuarem na sociedade de forma criativa, contribuindo para a transformação da sociedade. (PROPOSTA CURRICULAR DA REDE MUNICIPAL DE BRUSQUE, 2003, p. 262-263).Neste sentido, constatamos que a avaliação envolve o todo que faz parte do cotidiano vivenciado pelo grupo, onde todos são avaliados.Assim, ela passa a ser uma ação crítica e transformadora, onde o professor acompanha o seu grupo, investigando, observando e refletindo sobre a criança, sobre o grupo, sobre a sua prática pedagógica e sobre a instituição.Portanto, a avaliação é um processo que deve ser incorporado na prática do professor, onde, todas as experiências, manifestações, vivências, descobertas e conquistas das crianças devem ser valorizadas, com o objetivo de revelar o que cada criança já tem e não o que lhe afeta.

Referências
NOVA ESCOLA, Meio Ambiente: conhecer para preservar, 2003.
O DIA-A-DIA DO PROFESSOR ,vol. 5, ed. FAPI, 2003.
PROPOSTA CURRICULAR DA REDE MINICIPAL DE BRUSQUE, 2003.
BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Referenciais Curriculares Nacionais. Brasília,1997PERRENOUD,P.As competências para ensinar no século XXI. Porto Alegre: Artmed.2002.INED, Educação Infantil , Manual do Professor. Belo Horizonte, 2004.NOVA ESCOLA, Fundação Vitor Civita. São Paulo : Editora Abril.

CARNAVAL













quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Ajudante na troca de fraudas


Fonte: Revista projetos Escolares Creche n.1

É fundamental refletir sobre sua prática professor!

A Lição é um ato de refletir sobre a sua própria aprendizagem( Madalena Freire )
O ato de refletir a lição deve ser um ato libertador.
Libertador porque instrumentaliza o professor no que ele tem de mais forte: sua reflexão. Professor algum é dono de sua prática se não tem a reflexão de sua prática nas mãos.Não existe ato de reflexão que não nos leve a constatações, descobertas, e, portanto, que não nos leve a transformar algo em nós, nos outros e no mundo.
Portanto, dentro desta concepção - em que o ato de refletir é permanente centrado no eixo de cada professor - está implícito que não existe um modelo de reflexão(que fulana é melhor na lição dela, eu sou uma "m...")Cada um tem sua reflexão, que está enraizada no seu tempo, no seu processo de apropriação de sua prática.
O que existe são tempos - histórias - distintos deste processo de aprofundamento da reflexão que, no fundo, é o processo de aprofundamento da própria formação.A lição, a reflexão desse meu processo-formação só pode ser assumida mesma, por cada professor.
Professor que coloca fora de si, num mito teórico, sua formação, está doente, alienado, anestesiado, num sono profundo, fantasiado de nomes que não são o seu.
Ou cada professor assume a condição - reflexão - do seu processo de formação, como algo que está sendo parido por ele mesmo - e que por isso trará dores do parto também - sem os fantasmas teóricos lhe paralisando a ação, ou então ele se considerar "formado",morto na sua criação, morto na sua curiosidade,morto na sua reflexão, morto na sua paixão. Morto na sua capacidade de seduzir o outro para a opção do prazer em assumir a sua formação.

sábado, 17 de janeiro de 2009

BERÇARIO




Atividades para o desenvolvimento
Sugestões de propostas de atividades


É necessário conhecer o desenvolvimento infantil para, então, propor atividades. Normalmente, bebês de 5 a 10 meses de idade colocam tudo na boca. Quando de bruços, levantam a cabeça e ombros, rolam, sentam, arrastam-se ou engatinham, ficam de pé com apoio. Reconhecem as coisas e pessoas, não têm medo de animais, mexem em tudo.


Crianças de 1 ano, ficam em pé, anda, podem subir escadas, dizem algumas palavras, aprendem o nome das partes do corpo.


De 1 a 3 anos, possui atividade motora intensa, usa colher e copo, gosta de brincar com água e escova de dentes, empilha objetos. Já tem vontade própria, fala muito, canta, imita, tem crises de birra, freqüenta escola. Diante disso, devemos trabalhar o aspecto psicomotor (respeitando a faixa etária), por meio de atividades de coordenação motora ampla e fina com diversos tipos de materiais (fazer com que a criança desenvolva o controle de seus próprios movimentos e explore o espaço, vivenciando diferentes situações de posição), atividades de estímulos visuais (permitir que a criança discrimine e identifique semelhanças e diferenças perceptíveis através da visão), auditivos (propiciar à criança situações para desenvolver a discriminação, memória e atenção auditiva), táteis (conduzir a criança na exploração do meio em que vive de modo a identificar formas e sensações através do contato físico), massagens, exercícios exploratórios referentes às partes do corpo; o momento do relaxamento (com músicas orquestradas e variadas); aproveitar o momento do banho para dar novos conceitos e experiências sensoriais e psicomotoras, tais como, noções de espaço; aulas de música, em que as habilidades auditivas começam a ser focadas e treinadas, tais como discriminação, atenção e memória auditiva; não se esqueça de estimular a linguagem, criatividade, organização do pensamento, cognição, etc., com fantoches, dramatizações... as crianças adoram!
Apesar da pouca idade, elas têm que estar em contato com a língua para aprender e para desenvolver o seu vocabulário... além disso, essas atividades auxiliam no treinamento da atenção (visual e auditiva) e na aprendizagem das emoções...É interessante, também, proporcionar à criança situações que desenvolvam o aparelho fono-articulatório para, posteriormente, utilizar a linguagem oral de forma clara e espontânea.Não podemos esquecer de incluir atividades no parquinho de areia ... na grama sintética (para banho de sol e outras atividades)... na piscina (bebês acima dos 6 meses costumam se beneficiar muito dessas atividades).... no jardim... e dos itens de higiene e segurança. É importante que o ambiente seja claro e arejado.... sem cheiros fortes, cortinas, carpetes ou tapetes.... enfim, qualquer coisa que possa causar alergias.... inclusive bichinhos de pelúcia.... Além disso, muito amor, carinho e atenção.... eles merecem!


PLANEJAMENTO ANUAL JARDIM E PRÉ-ESCOLA

4 ANOS- JARDIM DE INFÂNCIA II
1-COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO
a)Linguagem Oral
· ouvir, criar e narrar histórias oralmente;
· conhecer diferentes modalidades de linguagem ( história, poesias, piadas, músicas);
· estabelecer trocas verbais com seus colegas e adultos- linguagem socializada-através de diálogo e não linguagem egocêntrica;
· ampliar seu vocabulário;
· vincular o discurso oral com o texto escrito.
b)Linguagem Escrita
· compreender a funcionalidade da escrita;
· reconhecer as diferentes formas de registros da língua escrita;
· construir sua escrita na fase silábica, atribuindo a cada grafia o valor de uma sílaba;
· reconhecer sons e grafias das letras do alfabeto, através da construção do alfabeto concreto;
· iniciar a escrita de palavras contextualizadas;
· criar textos significativos;
· produzir escritas espontânea;
· identificar diferentes portadores de texto no aspecto estrutural e lingüístico.
c)Linguagem Sonora / Musical
· perceber diferentes sons produzidos pelo corpo, objetos, natureza, etc.;
· adquirir noção de sons: duração, ritmo e intensidade;
· utilizar e criar melodias, músicas e rimas;
· cantar e dramatizar músicas com criações próprias.
d)Linguagem Corporal
· explorar suas possibilidades de movimentos corporais;
· imitar, reproduza ou recrie movimentos corporais, com ou sem fundo musical orientador;
· realizar movimentos leves, fortes, rápidos, utilizando várias áreas do espaço;
· realizar movimentos leves, fortes, rápidos, utilizando várias áreas de espaço;
· reelaborar o real através do imaginário;
· expressar idéias simples com o próprio corpo;
e)Linguagem Plástica
· produzir desenhos na fase pré-esquemática;

2-RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO
a)Classificação
· classificar objetos com mais de um atributo;
· estabelecer critérios de agrupamentos, a partir da observação e comparação de objetos ( maior/menor, grosso/fino, grande/pequeno, duro/mole, quente/frio, seco/molhado);
· estabelecer símbolos para caracterização de agrupamentos;
· reconhecer as formas geométricas;· estabelecer correspondência um a um;
· ampliar sua noção de pertinência ( pertence e não pertence);
· comparar características dos objetos para formação de pares.
b)Seriação
· realizar arranjos lineares dos atributos dos objetos;
· ordenar conjuntos de objetos que apresentam entre si diferença constante;
· estabelecer correspondência serial;
· representar séries graficamente;
· nomear os elementos da série.
c)Sequenciação
· identificar, reconhecer e estabelecer seqüências através de movimentos corporais, discriminação auditiva, manipulação de materiais e representações gráficas;
· estabelecer seqüências temporais: ontem / hoje / amanhã; passado/ presente/ futuro, manhã / tarde / noite, dias da semana.
d)Medida
· comparar objetos e/ou pessoas segundo determinadas propriedades mensuráveis;
· estabelecer medidas de comprimento utilizando palmo, pés e passos.
e)Espaço
· identificar situações dinâmica dos objetos ou pessoas, sempre indicando movimento: de um lado e de outro; pra frente / para trás; para o lado, para cima, para baixo; na mesma direção / mudando de direção; ordenar elementos variados; lateralidade: esquerda / direita tendo objetos como referencial.
f)Tempo
· Desenvolver a habilidade de estabelecer relações entre passado / presente / futuro ( antes, agora e depois); hoje e ontem; dias da semana.
g)Quantificação / Número
· manipular objetos contáveis estabelecendo correspondência um a um;
· comparar quantidades;
· reconhecer os números no contexto da atividade;
· explorar contagem de rotina.
3-CIÊNCIAS SOCIAIS
a)Grupo Social
· Conhecer o nome das pessoas de sua família, relações de parentesco e funções que elas exercem ( num contexto mais amplo: avós, tios, primos, netos...);
· Compreender a importância das regras e convenções sociais ( por favor, com licença, muito obrigado, ...);
· Identificar e respeite os direitos e deveres de cada pessoa da família e da escola;
· Identificar as funções das pessoas que trabalham na escola;
· Desenvolver atitudes de tolerância, solidariedade, amizade e respeito.
b) Tempo
· confrontar a sua vida com a história de vida das demais pessoas.
c) Espaço· conhecer local e tipo de moradia;· explorar bairro onde mora e onde estuda;
· estabelecer pontos de referência à sua casa, escola e vizinhança;
· explorar novos espaços e cada vez mais amplos.
d)Elementos Sócio- Culturais do Cotidiano
· identificar os tipos de construção, tipos étnicos ( com hábitos e costumes), existentes em seu ambiente;
· conheça a importância das datas comemorativas e significativas (aniversários, cívicas e folclóricas);
· reconheça a importância dos meios de comunicação no seu cotidiano.
e) Elementos Sócio-Culturais do Cotidiano
· identificar os tipos de construção, tipos étnicos ( com hábitos e costumes), existentes em seu ambiente;
· Conhecer a importância das datas comemorativas e significativas ( aniversários, cívicas e folclóricas);
· Reconhecer a importância dos meios de comunicação no seu cotidiano.
e)Trabalho
· Identificar a importância do trabalho para a vida;
· Estabelecer relações entre trabalho e sobrevivência;
· Reconhecer o valor do trabalho cooperativo e organizado e sua importância para a sociedade.
4-CIÊNCIAS NATURAIS
a)Ser Humano
· conhecer e identificar partes e órgãos do corpo e suas funções ( (movimentos respiratórios, pulsação e batimentos cardíacos, transpiração e eliminação);
· explorar os órgãos dos sentidos;
· estabelecer semelhanças e diferenças entre o seu corpo e o de outras pessoas;
· Valorizar a prática cotidiana de hábitos favoráveis à saúde.
b)Animais
· identificar os usos feitos pelo homem ( alimentação, criação, transporte, exploração, extinção);· identificar a preocupação com o equilíbrio da natureza, cadeia alimentar, preservação.
c)Meio Ambiente
· observar, perguntar, interpretar e registrar experiências relacionadas a terra, ar, água e fogo;· observar os fenômenos da natureza ( chuva / sol, dia / noite, vento,ar, rios );
· observar e realizar misturas de materiais diferentes ( café com leite, leite com chocolate, água e açúcar, e sal, óleo, e areia, etc. );
· conhecer e realizar comparações entre estações do ano, o dia e a noite, alguns astros, explorando semelhanças e diferenças.
5 ANOS – PRÉ-ESCOLA
1-COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO
a) Linguagem Oral
· narrar histórias conhecidas;
· interpretar e reproduzir histórias oralmente;
· ampliar seu vocabulário e aprimorar sua fluência verbal – concordância;
· cantar músicas conhecidas ou inventadas;
· contar, recontar e reinventar histórias, a partir de situações vividas ou criadas;
· expressar sentimentos, interesses pessoais, e opiniões durante as conversas informais e formais;
· valorizar e empregar o diálogo como forma de explicitar conflitos e tomar decisões coletivas;
· conhecer diferentes modalidades de linguagem: poesia, quadrinha, provérbio, narração, piada, brinquedo cantado, advinhas, trava-línguas, parlendas.
b)Linguagem Escrita
· perceber a escrita como representação da fala e as letras como representação dos fonemas;
· compreender que os caracteres da escrita correspondam a valores menores quais sílabas ( antecipação quantitativa );
· compreender que a letra que inicia cada escrita não é fixa nem aleatória: é uma das letras que corresponde ao valor sonoro da primeira sílaba da palavra;
· elaborar sistematicamente uma análise dos fonemas das palavras que vai escrever;
· conhecer, identificar e nomear as letras do alfabeto de forma contextualizada;
· produzir a escrita no nível alfabético;
· reconhecer e compreender a função social da língua escrita;
· construir diferentes textos: informativos, narrativos, jornalísticos, literários e do seu cotidiano;
· identificar e produzir palavras, frases com sílabas simples
.Obs: Apresentar à criança todos os tipos de letra de maneira contextualizada; porém o trabalho com letra cursiva deverá ser iniciado após a maioria do grupo ter atingido o nível alfabético.
c)Linguagem Sonora / Musical
· criar e recriar novas músicas;
· reconhecer tipos de sons naturais, artificiais e ruídos;
· cantar e dramatizar histórias, músicas, et.
d)Linguagem Corporal
· desenvolver a imaginação e a criatividade associadas ao movimento;
· dramatizar de forma criativa;
· dramatizar com recursos: fantoche, sombra, máscaras, livros e marionetes.
e)Linguagem Plástica
· manipular, criar e construir com diferentes materiais: massa, tinta, argila, papel machê;
· utilizar técnicas plásticas tais como desenho, modelagem recorte, colagem, impressão e pintura;
· produzir desenhos explorando a fase esquemática.
1-RACIOCÍNIO LÓGICO – MATEMÁTICO
a)Classificação
· agrupar elementos segundo os atributos;
· adquirir noção de pertinência;
· classificar por negação;
· descobrir atributos não evidentes entre objetos;
· perceber características físicas como atributo, e o número de variáveis do atributo levantado.
b)Seqüência
· promover situações em que a criança: estabeleça seqüência temporal considerando dias da semana, semana do mês, meses do ano e ano.
c)Seriação
· organizar séries de elementos segundo seus atributos em ordem crescente e decrescente;
· quantificar séries;
· realizar construção conjunta de várias séries.
d)Medida
· comparar comprimentos / capacidade / altura / distância e peso dos objetos, utilizando diferentes recursos ( corpo, barbante, passos, régua, etc. );
· realizar construções no mesmo nível de um modelo;
· realizar construções em desnível.e)Tempo· promover situações em que a criança estabeleça relações de temporalidade considerando espaço e tempo vivido e percebido (ontem, hoje e amanhã).
f) Espaço
· favorecer situações em que a criança possa identificar e comparar a situação dinâmica dos objetos / pessoas em relação aos conceitos de lateralidade, posição e distância.
g) Número
· compreender a funcionalidade da escrita dos numerais ( talão de cheques, telefone, placa de carro, etc. );
· identificar signos numéricos;
· reconhecer e corresponder quantidades;
· corresponder numerais às quantidades;
· identificar diferentes formas de agrupamento;
· pensar e verbalizar logicamente um determinado fato ou operação;
· identificar, concretamente, a adição como situação- problema que envolve a idéia de juntar;
· identificar concretamente, a subtração como situação-problema que envolve a idéia de tirar, comparar ou de completar;
· identificar, concretamente a divisão como situação-problema que envolve a idéia de separar uma coleção em grupos, com o mesmo número de objetos.
3-CIÊNCIAS SOCIAIS
a) Grupo Social
· reconhecer suas possibilidades em casa e na escola;
· conhecer percurso de casa até a escola;
· identificar as relações existentes entre as pessoas ( parentesco, amizade, trabalho estudo);
· identificar a origem da família e procedência;
· conhecer aspectos da vida rural e urbana;
· perceber a existência de diferentes modelos de família e de diversos valores e costumes;
· compreender a história da escola, a organização e funcionamento da mesma;
· demonstrar atenção e consideração pelo outro, assumindo atitudes de respeito à propriedade alheia e direto do outro.
b) Tempo
· perceber a ordenação / duração / sucessão de acontecimentos;
· perceber que as pessoas e os demais seres vivos se transformam com o tempo.
c) Espaço
· estabelecer relações entre vizinhança, amizade e trabalho;
· estabelecer relações entre distância percorrida, da casa à escola, em termos de perto, longe, e número aproximado de quadras;
· explorar espaços novos e cada vez mais amplos.
d) Elementos Sócio-Culturais do Cotidiano
· reconhecer os símbolos nacionais;
· conhecer as dinâmicas do meio social em situações específicas como: eleições, processos de compra,venda e troca, campanhas de saúde, de solidariedade e educativas;
· conhecer seus direitos estabelecidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.
e) Trabalho
· reconhecer na transformação do meio, o fruto do trabalho;· perceber a ação do homem sobre os recursos da natureza;
· conhecer processos de industrialização;
· identificar o valor dos diferentes tipos de trabalho – manual e intelectual.
1- CIÊNCIAS NATURAIS
a) Ser Humano
· reconhecer as etapas da vida – crescimento e desenvolvimento e identificar a fase em que se encontra;
· conhecer o conceito de saúde;
· conhecer a importância da prevenção de acidentes e de doenças;
· conhecer a importância das vacinações como meio de prevenir algumas doenças próprias da infância;
b) Animais
· observar o ciclo de vida dos animais (nascimento, crescimento, reprodução e morte);
· confrontar opiniões referente ao aprisionamento, maltratos e extinção de animais.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009


Alfabetização é o termo que usamos quando nos referimos à aprendizagem da leitura e da escrita. Um indivíduo que sabe ler e escrever é considerado uma pessoa alfabetizada.
MÉTODOS DE ENSINO
São vários os métodos para se alfabetizar. Falaremos sobre os mais utilizados:
1- Métodos de alfabetização predominantemente sintéticos
2- Métodos de alfabetização predominantemente analíticos
MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO PREDOMINANTEMENTE SINTÉTICOS
São métodos que levam o aluno a combinar elementos isolados da língua: sons, letras e sílabas.Os métodos predominantemente sintéticos podem ser:
alfabéticos ou soletrativos
silábicos
fonéticos
Alfabéticos ou soletrativos
O aluno aprende:
o nome das letras nas formas maiúscula, minúscula, manuscrita, etc.
a seqüência do alfabeto.
a combinar as letras entre si, formando sílabas e palavras.
Silábicos
O aluno aprende inicialmente a sílaba, a combinação entre elas e chega à palavra.
Fonéticos
O aluno aprende inicialmente os sons das letras isoladas e depois reúne em sílabas que formarão as palavras.
MÉTODOS PREDOMINANTEMENTE ANALÍTICOS
São métodos que levam o aluno a analisar um todo (palavra) para chegar às partes que o compõem.Os métodos predominantemente analíticos podem ser:
palavração
sentenciação
contos ou historietas
natural

Palavração

O aluno aprende algumas palavras associadas às suas imagens visuais. É usada a memória visual. Depois que o aluno já reconhece algumas palavras, estas são divididas em sílabas para formar outras palavras.
Sentenciação
O aluno parte de uma frase que a turma está discutindo, visualiza e memoriza as palavras e depois analisa as sílabas para formar novas palavras.
Contos ou historietas
É uma ampliação do método de sentenciação. O aluno parte de pequenas histórias para chegar nas palavras, sílabas e com estas sílabas formar novas palavras.
Natural
O método natural parte de um pré-livro que contém registros de conversas da classe sobre determinado assunto. É apresentado aos alunos aos poucos para a sua visualização. Depois dessa fase, passa-se para a leitura sonorizada de cada sílaba da palavra. A partir destas sílabas, o aluno forma novas palavras e novas frases.

Com Carinho, Tatiana http://tatiana-alfabetizacao.blogspot.com/
Projeto identidade

AtividadesTextos informativosMúsicas relacionadas ao temaPesquisasJogosConversas e debatesPreparação de palestras e /ou entrevistasConfecção de murais e cartazesRecorte e colagem de gravuras , palavrasCartazes com regras de higieneCaça - palavrasPalavras CruzadasQuebra-cabeçaBonecosCalendáriosLiteratura infantilAtividades MatemáticasFichas com palavras e novos vocabuláriosDobradurasDinâmicas de grupoSeqüência de figuras (ordenação)Reprodução de históriasRecontosDesenhos
Apresentação do projeto:
Este projeto tem o intuito do conhecimento global do ser humano: conhecendo seu corpo, ampliando conceitos de higiene e saúde, descobrindo que o indivíduo está presente em todas as comunidades, relacionando- se com outros seres e com todo o ambiente onde vive e identificando e analisando diferenças, conceitos, preconceitos, características, valores de toda uma sociedade ao qual ele está inserido.Todo o trabalho que será desenvolvido pelas crianças passa por conhecimentos de prática de hábitos de higiene, saúde, limpeza, preservação do meio ambiente, cuidados com o corpo e a interação da criança com sua comunidade escolar, familiar , enfim, a sociedade.O grupo não só integrará trabalhos no contexto da alfabetização propriamente dita, mas seguirá o caminho da interdisciplinaridade e dos temas transversais propostos.
Objetivos:
Adquirir noções fundamentais sobre a higiene em nossa vida;Reconhecer a importância e a necessidade de se Ter uma boa higiene corporal, bucal e mental;Desenvolver o hábito de cuidar de si mesmo;Valorizar seu corpo, sua saúde, sua vida , seu meio social e ambiental;Estabelecer uma relação com a sociedade;Diferenciar os vários tipos de família e os membros que a compõe;Conhecer seus antepassados;Identificar tipos de moradia e formas de construções;Conhecer diversas estruturas familiares no mundo.
Procedimentos:
Elaborar textos a partir do auto- conhecimento;Coletar dados por meio de pesquisas e observações;Ler diferentes tipos de textos;Produzir textos;Realizar atividades diárias de higiene;Entender o papel da escovação dentária;Organizar rotinas de práticas de conservação da saúde;Observar e analisar fatos, situações de forma a garantir a boa qualidade de vida;Perceber, apreciar, valorizar diversidade de formação familiar e social;Montar painéis;Construir cartazes;Confeccionar bonecos, fantoches, dedotes;Elaborar com os alunos regras de higiene;Desenvolver atividades lúdicas;Dramatizar histórias;Organizar entrevistas e pesquisas;Registrar experiências vividas pelo grupo.
Conteúdos relacionados ao projeto:
Português
Leitura e interpretação de texto e histórias;Formação de palavras e frases;Produções de texto;Alfabeto(maiúsculo ,minúsculo)Introdução a letra cursiva;Ordem alfabética;PontuaçãoRimasGênero, número e grau do substantivoSílabas e números de letras.
Matemática
Seqüência numérica;números pares e ímpares;Ordem crescente e decrescente;Números ordinais;Noções das 4 operações fundamentais;Situações- problemas;Formas geométricas;Altura, peso, maior, menorSucessor e antecessor
Ciências
Partes do corpo;Cuidados com o corpo ;Prevenção as doenças;Órgãos do sentido e suas utilidades;Cuidados ao meio ambiente;Limpeza e conservação do meio onde vivem.
História e Geografia
Árvore genealógica;Membros Integrante da família;Localização da moradia;Partes da casa;Diferenças da formação familiar e das moradias do outros grupos sociais;Localização do seu espaço físico (casa, bairro, escola, rua, cidade, país);AtividadesTextos informativosMúsicas relacionadas ao temaPesquisasJogosConversas e debatesPreparação de palestras e /ou entrevistasConfecção de murais e cartazesRecorte e colagem de gravuras , palavrasCartazes com regras de higieneCaça - palavrasPalavras CruzadasQuebra-cabeçaBonecosCalendáriosLiteratura infantilAtividades MatemáticasFichas com palavras e novos vocabuláriosDobradurasDinâmicas de grupoSeqüência de figuras (ordenação)Reprodução de históriasRecontosDesenhosMaterial didático/ recursosLivros didáticos,CDs/ somSucatasPapéis diversosInternet/computador/softwaresFolhas xerocadasTintas e pincéisLápis coloridos e giz de ceraHidrocorMáquina fotográficaPainéisVídeoRevista/ jornaisLivros de literatura infantilColaTesouraTecidos
Produtos de higieneProdutos de limpezaArgilaEspelhoEventos relacionados ao projeto:Exposição dos bonecos de cada criançaPalestras com médicos ou dentistas
Semana da higiene com exposição de materiais relacionados ao temaDramatização de peças com bonecos, fantochesExposição de fotos do Projeto;Exposição de cartazes confeccionados.
Instrumentos de Avaliação:
Os projetos transformam a avaliação em um processo contínuo à realidade cotidiana da sala de aula.
Considera- se alguns instrumentos de avaliação:
Observação do comportamento do educando:
hábitos de trabalhos, relacionamento com os amigos e professores, cumprimento das tarefas escolares, atitudes positivas ou negativas com relação aos trabalhos escolares, capacidade de cooperação, aproveitamento de tempo
Trabalhos escritos ou de outra natureza qualquer produzidos espontaneamente;
Produtos de estudo ou de tarefas com relação as diversas situações escolares;
Dados registrados com referência diretas com o aluno ou em grupo.
Autor Desconhecido

PROJETO NOME

JUSTIFICATIVA:
A formação da identidade está relacionada intimamente ao conhecimento do nome, por isto faz-se necessário a elaboração deste projeto.
OBJETIVO COMPARTILHADO:
Elaboração de um álbum coletivo, que traga informações sobre a criança.
DURAÇÃO:
Três meses. Duas vezes por semana no 1º mêsUma vezes por semana no 2º mês
PÚBLICO ALVO: crianças entre 4/6 anos.
O QUE SE ESPERA QUE AS CRIANÇAS APRENDAM:
-Que a criança identifique e conquiste a grafia do nome;
-Reconheça o próprio nome;
-Escreva o próprio nome (com ou sem ficha);
-Adquiram noções de matemática;
-Identificar ou reconhecer as letras do alfabeto;
-Identificar o nome das diversas situações do cotidiano;
-Reconhecer o próprio nome dentro do conjunto de nomes do grupo, nas situações em que isso se fizer necessário;
-Que elas aprendam à escrita do próprio nome em situações em que forem necessários;
-Ter contato com as letras, com a formação do nome.
CONTEÚDO:
- Identificação do nome;
- Representação escrita do nome;
- Regras de convívio social;
- Socialização.
O QUE O PROFESSOR DEVE GARANTIR NO DECORRER DO PROJETO:
-Construção da rotina;
-Elaboração do contrato didático;
-Organização do espaço de trabalho;
-Organização do material utilizado;
-Levantar pesquisa junto aos pais;
-Confecção dos crachás;
-Registro das atividades para avaliação.
RECURSOS
MATERIAIS:-Papel cartão, sulfite, caneta hidrocor, alfabeto móvel, tiras de tecido, de algodão, lápis colorido, giz-de-lousa
.AVALIAÇÃO: Durante a realização das atividades, através do registro, e observando o desenvolvimento das crianças.